Artigos



Os plásticos estavam caindo em desuso. Então veio o vírus.

Com as preocupações com a saúde sendo prioridade para os consumidores, as empresas estão abandonando políticas de conscientização ambiental e adotando novamente itens de uso único.







Levou uma semana após o primeiro caso nos EUA de Covid-19, sem conexão com o exterior, para o Starbucks proibir os clientes de trazerem canecas de café reutilizáveis. Judith Enck, ex-administradora regional da Agência de Proteção Ambiental, ficou decepcionada. A saúde pública vem em primeiro lugar, é claro, mas como fundadora do projeto Beyond Plastics, Enck tinha dúvidas de que retornar a copos descartáveis ​​tornaria alguém mais seguro. O dinheiro, por exemplo, é uma notória transportadora de germes. "O Starbucks agora deixará de aceitar dinheiro?" ela diz.


São tempos de nervosismo para os ativistas que trabalham para afastar o mundo dos plásticos. Até que o novo corona vírus começou a se espalhar por todo o mundo, 2020 parecia ser um ano em que restrições significativas ao uso de plástico finalmente se firmariam. Uma lista crescente de empresas consumidoras - incluindo a Coca-Cola, que produz cerca de 117 bilhões de garrafas plásticas por ano - estabeleceu metas para reduzir sua dependência de embalagens plásticas. A França proibiu pratos, copos e talheres descartáveis de uso único a partir de 1º de janeiro, e a Inglaterra adotará restrições sobre canudos e misturadores de plástico a partir de abril. Em 1º de março, Nova York se juntou à várias outras cidades ao redor do mundo, proibindo a distribuição de sacolas plásticas pelos varejistas.


O vírus atua diretamente nos pontos fortes da indústria: descartabilidade e higiene. Um novo relatório divulgado pela BloombergNEF na semana passada descobriu que, a curto prazo, pelo menos, os medos dos oponentes dos plásticos podem ser válidos. "As preocupações com a higiene dos alimentos devido ao Covid-19 podem aumentar a intensidade das embalagens plásticas, desfazendo parte do progresso inicial das empresas", afirmou o relatório. Os pesquisadores descobriram os maiores picos na demanda por máscaras faciais e filme fino usado em embalagens plásticas.


Grupos de "lobby" de plásticos, como a Plastics Industry Association e o American Chemistry Council (ACC), defendem seus produtos há muito tempo, observando que o plástico tem desempenhado um papel revolucionário na assistência médica. Luvas cirúrgicas, seringas, canetas de insulina, tubos intravenosos e cateteres de uso único, por exemplo, reduziram o risco de infecção do paciente e ajudaram a simplificar as operações, aumentando o ônus da esterilização.


Quando o gosto do consumidor começou a mudar contra a indústria de plásticos, de USD 40 bilhões, os fabricantes acrescentaram um argumento adicional ao seu arsenal: que seus produtos são realmente um benefício à sustentabilidade geral, apesar de serem à base de petróleo, não biodegradáveis ​​e difíceis de reciclar. As embalagens plásticas desempenham um papel importante na redução do desperdício de alimentos, estendendo o prazo de validade de produtos frescos de dias para mais de uma semana. As peças de plástico nos carros também reduzem o peso e melhoram a eficiência do combustível.


A maioria dessas alegações é baseada em vários estudos, sendo o mais significativo feito para a ACC pela Franklin Associates em 2018. Ele analisou o ciclo de vida de produtos como garrafas de água, filmes "shrink" e sacolas de varejo e concluiu que se fossem feitos de materiais alternativos - como vidro, alumínio ou têxteis - exigiriam cinco vezes a quantidade de energia necessária para fabricação e usariam mais água no processo. Quando Jack Williams, vice-presidente sênior da Exxon Corp, disse a um grupo de investidores em 5 de março que "do ponto de vista da sustentabilidade, as embalagens plásticas são melhores que as alternativas", ele se referia ao estudo.


Militantes anti-plásticos como Steve Feit, advogado da equipe de clima e energia do Centro de Direito Internacional, dizem que a análise do ciclo de vida está cheia de falhas. "Supõe-se que iremos fabricar exatamente os mesmos produtos em materiais alternativos" em vez de redesenhar para se adequar ao novo meio - "o que é loucura", diz Feit. "E não leva em consideração o efeito do plástico depois que o produto foi descartado em aterros sanitários". Embora a Grande ilha de Lixo do Pacífico tenha recebido muita atenção, um estudo de 2018 descobriu que os microplásticos também estão lixiviando de aterros sanitários e esgotos e poluindo as fontes de água e solo.


Mas enquanto a racionalização da sustentabilidade for recebida com ceticismo, a justificativa da saúde é mais difícil de combater. O plástico por si só não é uma bala mágica: um estudo publicado no Journal of Hospital Infection concluiu que o vírus por trás do Covid-19 pode sobreviver por nove dias em superfícies plásticas à temperatura ambiente. No entanto, para muitos, os produtos que podem ser descartados após um único uso parecem ser as opções mais seguras.


Depois que o Starbucks suspendeu o recebimento de canecas refis, Dunkin' e Tim Horton anunciaram políticas semelhantes. Apesar de um aviso do cirurgião geral dos EUA de que elas não são particularmente eficazes, as máscaras faciais - incluindo um modelo elegante de filtro de ar usado pela celebridade e ícone de estilo de vida Gwyneth Paltrow - estão esgotando em todo o mundo. Muitas farmácias também estão relatando escassez de luvas de látex. Além das preocupações do movimento anti-plástico, o início de uma guerra de preços do petróleo entre a Arábia Saudita e a Rússia desencadeou uma venda histórica nos mercados. Os preços mais baixos do petróleo significam que muito plástico poderá ser feito ainda mais barato a longo prazo.


Embora o BNEF tenha dito que era muito cedo para ter certeza de que o Covid-19 está afetando a demanda de plástico em geral, ele previu que qualquer pico provavelmente seria temporário e que, como resultado, as receitas da indústria seriam estáveis ​​ou até altas em meio a uma forte desaceleração econômica. uma forte crise econômica. "A longo prazo, não esperamos que esse aumento da demanda tenha um impacto significativo na demanda de plástico ou nas metas da economia circular", disse o relatório, referindo-se a um futuro em que todos os itens sejam reutilizados ou reciclados.


No entanto, a indústria do plástico está aproveitando o momento. No final de fevereiro, o chefe da Plastics Industry Association, Tony Radoszewski, divulgou uma declaração: "À medida que novos casos de corona vírus são confirmados em todo o mundo e a doença representa uma ameaça crescente à saúde pública", afirmou, a indústria de plásticos está trabalhando para garantir que "os pacientes recebam os cuidados de que precisam e os profissionais da área de saúde estejam protegidos à medida que prestam esses cuidados. ”


O comunicado concluiu: "A indústria global de plásticos está pronta para ajudar autoridades e defensores da saúde pública a garantir que nossos materiais e produtos estejam na linha de frente do combate à disseminação do corona vírus".


Fonte: https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-03-15/plastics-had-been-falling-out-of-favor-then-came-coronavirus



TAGS

SUSTENTABILIDADE, SAÚDE, CORONA VÍRUS, CORONAVIRUS, COVID-19